Pesquisa
avançada
12775 joguetes

Retarded Yellow Movie of The Week

vamos ver alguns filmes soberbos e tudo ficará entei

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer as dicas de filmes belos e não tão conhecidos que recebi de gente da mais alta estirpe, incluindo nossos considerados comentadores anônimos parcialmente analfabetos, e também o famoso Lord Eternal e o sempre simpático Bruno Napoleão, os quais certamente são responsáveis pelas dicas telepáticas que tenho recebido durante o sono, quando sou bombardeado por raios cor-de-rosa contendo informações lidas em voz alta por uma inteligência artificial com voz feminina de amiga 500.

E na sequência gostaria de ilustrar com algumas fotos o que está errado no mundo em geral e nos remakes de filmes ruins em particular:

Carrie, mioguios. Do Stephen King.

(Só li duas coisas do Stephen King até hoje, porque as histórias dele não me atraem a curiosidade. Uma das que li é aquela que ele publicou na internet, Riding the Bullet. Percebi que ele domina a arte, tem técnica boa e sabe o que faz. Nem é tão escrota como era de se esperar, que por algum motivo a escrotidão parece emanar dos livros do Stephen King cada vez que passo diante deles. Outro que li foi aquele Danse Macabre, que é uma série de comentários sobre livros e filmes de terror que ele fez em 1981 e que gostaria que fizesse uma versão atualizada comentando as três ultimas décadas. Vou enviar um mail pro Stephen King e iniciar agora mesmo um abaixo assinado no facebook.)

Mas Carrie, mioguios. Carrie era pra ser escrota e o filme original entendeu isso. A guria era estranha pra cacete, de verdade, e rolava escrotidão com menstruação na primeira cena já. Olha a lata dela, o jeito:

É o artigo autêntico. Não tem nem o que dizer. Feia até, ?

Agora contemplem a nova:

A nova é style. Com maquiagem EMO até em algumas cenas. Meio punk. Ninguém ia querer bullyar isso. No máximo, com o perdão da expressão, a rapaziada ia querer passar a trolha. O único jeito de ser vítima de bully seria fazendo vídeo caseiro de celular e colocando na internerd.

Comparemos com sangue:

Olha que escrotidão a original de olho esbugalhado e cheia de sangue falso. A nova... é style, até o sangue fica no lugar certo. O fator trash torna mais realista e fiel o filme original: a história é lixo e é sobre escrotice, o filme (que não gosto, também) é assim e sem esse fator a coisa se perde, vira só mais um terror genérico e sem muito sentido, tudo bonitinho e no lugar esperado. É que nem o remake meia boca do Robocop que vem por aí, com armadura digna do Jaspion.

Até os poster:

um diz "esta é uma história escrotilhona com uma guria estranha de zóio esbugaiado" e o outro diz "style, mioguios, remake style com sangue nos lugar certo que parece cartaz de filme de vampiro gay".

Quanto aos filmes baseados em Stephen King eu só gostei desse novo da névoa que todo mundo morre no final e do Sonho de Liberdade. E se aquele do Carpenter da outra névoa é do King, aquele também. O resto as histórias são chatas demais. Nem o do Kubrick, baita chatice. Não gosto de ver filme com som alto e o do Kubrick é todo baseado no som, sem som o filme não funciona. Tudo depende da musiquinha escrota (Stephen King é baseado em escrotidão) perseguindo o guri mongol no triciclo.

Na verdade eu nunca vi Carrie, nem o original nem os remakes. Eu vi alguns segundos do filme na propaganda na televisão nos anos 80, contudo, e também assisti uma continuação caça-níquel que tinha uma filha dela ou algo assim arressando CDs com o poder mental, então já estou autorizado a falar sobre os filmes. Mas deixemos de lado o rei e vamos ao que interessa.

Gostaria de recomendar Enemies Closer, de 2013, em que Jean Claude Van Damme interpreta um vilão melhor que o do Expendables 2. Que atuação sensacional, baseada num cabelo estilo Krusty o palhaço e no fato do vilão ser vegano e não gostar de usar armas. Ele mata um monte de gente armada na base das artes marciais e fica comendo umas frutinhas que acha pelo caminho enquanto persegue o herói em uma ilha e divaga sobre ecologia. É um bom filme de ação com algumas cenas que valem por si, como a da luta no ar durante a queda de uma árvore, e que vale ainda mais pela atuação brilhante do Van Damme. Pode assistir sem medo que não é só participação especial, o Van Damme é praticamente o dono do filme. Eu sempre disse que era só dar uma carreira pro homem que ninguém segurava: deixa ele voltar pra cocaína que vocês vão ver do que o JCVD é capaz. E aqui está o resultado, um vilão muito maior e melhor que qualquer Coringa do filme novo do bátima interpretado por cowboy gay.

Como sempre, o Van Damme arruma lugar pro filho aparecer no filme como um capanga dele, que é pra familia ganhar mais dinheiro.

maior que jack nicholson e o cowboy gay juntos maior que jack nicholson e o cowboy gay juntos

A história é o seguinte: tem um guarda florestal canadense que é o herói que na verdade é um veterano de guerra americano atormentado por um segredo do mal e tem esse outro magrão que quer matar ele pra vingar a morte do irmão, pela qual julga o herói responsável, e do nada surge o Van Damme na ilha onde eles estão isolados, procurando por dógras e atuando. Um dos melhores filmes de 2013, sem dúvida, como o roteiro já comprova. Melhor que isso só o Ninja 2, com o Scott Adkins, que mal perco por esperar.

Mas como sabemos, o Van Damme faz qualquer coisa só pra atuar um pouco ou pra arrumar emprego pra família, então também rolou esse outro filme de alienígenas em que o mundo está sendo invadido e tal e rola aquelas coisas de sempre, de ir juntar comida e se proteger de saqueadores malucos e etc. Mas eis que o grupo de amigos conhece o Van Damme, que é o tio de um deles ou algo desse nível, e lá pelo final do filme vão se refugiar na casa dele. O BELGA SAGAZ mal aparece, acho que só por uns cinco minutos, pra participar de uma cena de luta com a filha dele, que interpreta uma alienígena, e em seguida, por um motivo dos mais fantásticos, aparece um disco voador do nada incrivelmente mal feito, lança um raio de luz e EXPLODE o Van Damme, encerrando a participação dele na obra. Por coincindência ele também explode no fim do Enemies Closer, então era tudo verdade: esses filmes explodem feito dinamite que nem os da America Video. Legal que pra segurar a audiência, sempre que dizem o nome dele, surgem uns segundos com imagens do Van Damme, nas cenas antes de ele aparecer. História horrível, atuações magistrais e tudo mais, este é Alien Uprising, de 2012. Além da filha do Van Damme, outro dos personagens principais é o filho do Pierce Brosnan, mas ao contrário do praticante de aberturas totais, o Pierce não quis ajudar o filho aparecendo nessa porcaria. Vale assistir pela curiosidade, se tu for lóc das cabeça.

direct to dvd pra cacete direct to dvd pra cacete

Depois de apreciar bem as atuações do Van Damme, decidi ver as mais recentes obras produzidas pelo cinema trash oriental e constatei que o Japão acabou. Não existe mais. Assistam coisas como Zombie Ass ou Yakuza Hunter e sua continuação estrelados pela fraca atriz pornô Azami. Tem tudo inteiro no youtube. Yakuza Hunter até parece uma bem intencionada paródia dos filme de gangue de mulher dos anos 70 da Nikatsu e Toei, mas logo vira uma merda total que parece feita pela globo. Olha o trailer aí que até esconde bem os defeitos mais grotescos e o queixo gigante da Azami:

Até parece decente, HÃ, num estilo meio retardado. Mas vai ver. Não tem mais filme trash japonês que preste. Nem filme normal. Nem jogo. Não tem mais nada, o Japão acabou. E vamos pelo mesmo caminho.

O melhorzinho que encontrei foi Hard Revenge Miry e a continuação, que são sobre uma mulher dividindo os outros ao meio com uma espada em cenas de lutinha trash. Destaque ESPECIAL pra caralho pro vilão bichona da parte dois. Também tem inteiros no youtube, assistam aí, não tem nem uma hora de duração quase.

Por falar nisso, e a Monica Mattos, HÃ?

Um gordilho decidiu contratar ela pra fazer um filme de terror caseiro e ela fez, claro. O resultado vocês podem conferir no site do cara: http://www.newtonuzeda.com/zombeach/

Infelizmente é um filme lento, escuro, arrastado e não se entende quase nada, e dá vontade de parar de assistir nos primeiros minutos.

Mas gostaria de deixar aqui registrado que a Monica Mattos talvez seja uma das maiores atrizes pornô que o mundo já produziu. Se ela tivesse atuado nos anos 70 ou 80 era digna de estar na DIVA FUTURA, miogs, que ela é do tamanho de uma Ilona Staller ou Moana Pozzi. Raras atrizes atuam como ela, uma verdadeira operária do sexo: faz qualquer tipo de filme, por mais escroto e imbecil que seja, encara traveco, anão, joystick dynacom, cavalo, velha vomitando na cara dela entre outras podridões que não quero nem imaginar. Provavelmente ela já comeu barata em alguma produção internacional. Na real só assisti o do joystick, mas sei que ela faz o resto todo e sempre com seriedade e entusiasmo. Nível Annabel Chong. Não tem outra atriz nesse nível no Brasil. Essa é era de ouro renascida, tesouro nacional só esperando pra ser enviado de volta aos anos 80 pra levar trolha do Ron Jeremy e do John Holmes e do Peter North ao mesmo tempo e COM ROTEIRO enquanto faz joinha pra camera. Mas vai lá ela no Jo Soares e o gordo fica perguntando coisa do nível Puxa, mas quantos filmes você já fez? Você é tão novinha, néam? Então tá. É apenas um filme. E depois o errado sou eu.

Agora gostaria que vocês assistissem Sailor Suit and Machine Gun, de 1981, que é um clássico dos filmes ruins. Tem mangá, série de televisão e remakes, mas esse é o que vale. Um dos piores e mais sem sentido filmes que já vi, sobre uma guriazinha que descobre ser herdeira de uma gangue de yakuzas mongolões. A música é maravilhosa, os diálogos são impensáveis e tocantes pra caralho e o filme é nível intermediário para avançado. Certamentes esta produção irá satisfazê-lo e você, VOCÊ não vai querer mais ver filmes por uns meses.

Nos vemos amanhã, miogs.

leia mais Retarded Yellow Movie of The Week

Últimos jogos vistos

tu se acha o ardcór das parada?