Pesquisa
avançada
12775 joguetes

Battle vs. Chess

  • desenhos bosta

  • efeitos sensacionais, heim?

Esses dias desejei procurar por algum jogo de xadrez nível o antigo battle chess, com as batalhas ilustradas por briguinhas divertidas entre as peças. A maioria dos outros jogos que fizeram depois desse, na época, eram chinelaços, inclusive os com peça de star wars, os de xadrez chinês, os de peças futuristas e etc. Mas já passaram duas décadas do original e imaginei que, como a ideia era boa, podia ter algo decente, é bem simples de fazer e os computadores são mais rápidos hoje, o que poderia proporcionar até um desafio animalesco, fora jogo em rede, e poderia ser algo bem leve, exigindo pouca máquina.

O que eu fiz para encontrar o jogo e cumprir meu objetivo de membro oficial do bau de jogos?

Obviamente, como o famoso Guitardo, compus uma música melódica e liguei para minha vó e mandei ela comprar um battle chess moderno pra mim. "Baroxés?" inquiriu minha avó. "Que baroxés, velha surda, battle chess." Ela não entendia de jeito nenhum, velha surda é foda, e resolveu descer até aqui, ao porão, para me perguntar. Cansei de explicar pra velha filha da puta o jogo que queria e dei-lhe uns cascudos até ela finalmente entender e ir comprar. E ela me trouxe toda felizona um dvdzinho pirata dos camelôs. "Porra, velha de merda! Não vê que esse jogo é pirata e eu não pratico a pirataria? Ah, que se foda, me dá essa merda aqui e vai me fazer um leitinho de pera." Decidi jogar essa porra assim mesmo e meu pai ainda veio me encher o saco dizendo que eu tava agredindo a velha. Mas porra, é estressante, cara. A velha nunca entende nada, eu peço refrigerante e ela demora meia-hora pra trazer e agora meu pai ainda vem me torrar só porque teve que mandar arrumar a televisão de novo porque quebrei quando perdi aquele gol no FIFA Soccer. Também, jogo roubado da porra. "Tu tá precisando comer uma muher, Invencibletardo Irontardo Mantardo que não é o Guitardo," meu pai disse. "Com que dinheiro, porra?" perguntei e pelo menos o filho da puta me deu uns trocados pra ir comer umas putas no Chiquinho´s Bar.

Mas vamos à análise do jogo Battle vs. Chess.

O nome já é baita cara de pau com o Battle Chess original, claro, por isso imaginei que pudesse ser ao menos uma cópia com os gráficos melhores, com o que já estaria satisfeito. Acontece que é um jogo incrivelmente pesado, todo em 3D, mas com os desenhos medíocres, sem personalidade e ruins pra cacete, devendo até as cuecas pro original de cga, mal se entende o que são as peças, uns bichos monocromáticos trouxas. As batalhas são sem graça e genéricas, animações só pra constar, um monte de efeitinho simplorio que não acrescenta nada e só exige mais máquina. E pra piorar a situação resolveram picaretear: podes escolher jogar como se os duelos fossem um arcade tosquissimo ou como se fossem um jogo estilo dance dance revolution, que é pro caso de as regras do xadrez serem complexas demais e tu não se sentir frustrado caso comam alguma das tuas peças, tornando assim possível não só evitar como reverter a captura da maneira mais imbecil possível, provando todo tua inteligência de jogador moderno que vence clicando um botão e assistindo meia hora de filminho. Piada de mau gosto. Além disso rola uma campanha pra lá de trouxa e o jogo até que serviria pelo modo de puzzles, mas é pesado demais e ocupa espaço demais pra fazer só isso, coisa que tinha melhor em apenas um disquete nos anos 80. Canastrice e picaretagem é com esta obra mesmo. Vendo o catálogo da produtora, logo descobri mais uma série de caça-níqueis feitos nas coxas. Não se deixe enganar, mioguio, não jogue esse jogo e bata na sua vó se ela vier encher o saco.