Pesquisa
avançada
12807 joguetes
  • TRS Color
  • 1983
  • Fita cassete
  • Feito em casa
  • 1
  • Texto
  • XRoar
  • arquivo Dungeon of Death (Sugar Software).cas temporariamente indisponível
  • entrada

  • criando o personagem

  • comprando merdas

  • mas tem que copiar tudo para um papel depois :-(

  • supremacia

  • agora tem que digitar tudo o que copiou :-( lógico que forcei um erro ao por 900 HP

  • labirintos fantásticos

  • escadinha para fugir

  • agora dá pra comprar merdas nas lojinhas (mas eu tive que digitar os personagens de novo)

  • que maravilha esse ASCII

  • comecei tudo de novo e resolvi explorar mais. me arrependi

  • é pra fuder o cu do palhaço

  • tinha uma espada dentro de um baú de jogos

  • uma super espada! pena que vou ter que digitar isso depois de novo :(

  • uma aranhola!!!

  • agora tou mandando magic missile num orc. a barra branca cresce e faz fruuuu (que nem o meu pau no teu cuuuu)

Um RPG textão caseirão baseado no DnD, meio que imitando aquelas porcarias tipo Wizardry (outro estilo que influenciou muitos RPGs antigos - para pior).

A parte de texto nem incomoda muito, mas a sacanagem maior é que apesar do jogo criar os personagens pra ti, depois tu tens que copiar toda(s) a(s) ficha do(s) personagem(s) num papel para depois digitar tudo de novo quando entra na dungeon e depois OUTRA VEZ quando sai da dungeon para ir nas lojinhas. Putaria total! :-(

Claro que pode digitar o que quiser e o jogo até cai com erro se o cara erra algum dos DADOS.

A exploração da dungeon não faz sentido algum, com um desenho genérico de corredorzinho, de portas e escadas. O jogo apenas pergunta se tu queres avançar ou voltar e daí a cada avanço, pode explorar salas que podem ter baús com dinheiro e itens. Logicamente rolam encontros aleatórios extremamente tediosos após cada ação.

E também tem uns ascii art bem toscos na hora de ir nas lojinhas, mas o resto do jogo é tudo texto mesmo.

Não tem graça nenhuma. É sacal e cansativo. Duvido que isso tivesse agradado a baixinhada dos 80s. Cocozão fudendo a paciência como sempre.